segunda-feira, 6 de setembro de 2010

A institucionalização da salvação

I- O que é a institucionalização da salvação?

É achar que a salvação esta restrita a instituição e não a Cristo. Vista no famoso chavão usado por muitos “igrejistas”; aqueles que aceitam a igreja (instituição) e não a Cristo; “só é salvo quem faz parte da minha igreja(instituição).

II- Onde começou a institucionalização da salvação?

Este sentimento não é novo, mas tão antigo quanto a Igreja Católica Romana que foi inaugurada em 312 d.C com Constantino, imperador romano que se declarou cristão. A partir deste fato a igreja cristã que se situava em Roma começa a ter destaque em relação às demais igrejas de outras regiões, tais como a Igreja que havia em Jerusalém, Antioquia, Éfeso, e a futura igreja de Constantinopla, antiga Bizâncio, e atual Stambul na Turquia. A Igreja Romana passou a desenvolver um complexo sistema chamado de sacramentos, que foi e é classificado por eles como
meio para se alcançar a salvação. Ou seja, não precisavam mais de Jesus, pois possuíam os sacramentos, e em sua concepção somente a Igreja Romana era legitima herdeira destes sacramentos que era o meio de salvação, sendo deduziam que fora da Igreja Romana não poderia haver salvação, pois ninguém mais poderia realizar estes sacramentos a não se esta instituição. Sendo assim, a salvação deixou de ser um mérito de Cristo que é conferida a nós cristão, para ser um mérito de uma instituição que tem poder de mediar a ida de alguém até o céu.

III- Definição do termo Igreja.

1- A palavra igreja é usada em uma variedade de circunstância. Usamos a palavra Igreja para se referir;
a- Ao templo, quando o vemos e falamos ali é minha igreja.
b- A instituição ao darmos a ela um nome e cnpj; tal como: Igreja Assembléia de Deus, Igreja do Nazareno, Igreja do Evangelho Quadrangular e outras denominações.
c- Igreja como denominação.
2- Mas o que realmente quer dizer a palavra Igreja?
A palavra Igreja vem do termo grego; ekklhsia, “ekklesia” que quer dizer chamados para fora, por isso é totalmente incoerente ou um paradoxo uma Igreja mundana, pois a essência do termo é separação, ou seja, chamados para fora. Este chamado se dava através de um arauto, que em nome de um superior convocava a congregação, ou o povo para que saíssem para fora de suas atividades cotidianas para se congregarem para uma reunião. Porém não havia uma instituição, e nem um templo, mas uma reunião de pessoas. Este é o sentido nato da palavra Igreja, uma reunião de pessoas, seja dois, três, ou um milhão. Como nosso Senhor Jesus disse: onde estive dois ou três reunidos (formando uma Igreja) em meu nome eu estou em vosso meio (Mt 18.20). 3- Quais os tipos de igreja relatados na Bíblia.

a- Igreja local: esta era uma casa onde os cristãos se reuniam, não possuía nome ou denominação, nem CNPJ, que a tornasse uma instituição. Era a igreja que estava na casa dos irmãos como vemos em Romanos 16.5. Esta Igreja local é composta por pessoas salvas, não salvas, joio, trigo, anjos eleitos, demônios. Talvez você se espante dizendo; demônio na igreja? Sim, ou você nunca viu ninguém endemoninhado na igreja onde você congrega que é uma igreja local.

b- Igreja Universal: Esta é a noiva do cordeiro, é a igreja espiritual, compostas por cristãos tirados dentre as igrejas locais e instituições. Todos que fazem parte desta são salvos, diferentemente da instituição que contem salvos, a Igreja Universal(não estou me referindo a instituição Igreja Universal do Reino de Deus) só contem salvos. Ela é composta por salvos de todos os tempos e anjos eleitos. Ou seja, aqueles que não seguiram a rebelião de Satanás (Hb 12.22,23).


IV- Qual o perigo da institucionalização da Salvação.

1- Restringe a salvação à instituição, desfazendo assim de Cristo e seus méritos.

2- Frustra as pessoas, pois todas as instituições, impreterivelmente, possuem seus defeitos e falhas, pois tem no seu seio o chamado joio. E ao dizermos que só são salvos aqueles que pertencem a nossa denominação, as pessoas ao verem os defeitos e imperfeições internas desta, se sentirão frustradas, pois criaram um padrão de perfeição para a instituição que nunca existiu.

3- Desprezarmos as outras instituições, isto é sectarismo e facção.

4- Limitamos a salvação realizada por Cristo a nossa instituição. Pois ele só pode e deve salvar se for dentro de nossa santa igreja fulana de tal.

5- Limitamos a salvação de Cristo a um período de tempo, pois ao contrário das Igrejas Tradicionais, as Igreja Pentecostais e Neo pentecostais surgiram a partir do século vinte, e os tradicionais a partir do século dezesseis, e antes disso, quando havia no ocidente somente a Igreja Católica Romana, Cristo não Salvava? Então João Huss que foi morto no fogo da inquisição Católica não foi salvo, pois não havia igreja protestante para que ele viesse a ser membro, e ele foi morto pela Igreja Católica que era a única “instituição” que havia no ocidente, e que acreditavam ser o único meio de salvação.


V- O Ecumenismo uma farsa.


O ecumenismo, que é a união das instituições religiosas, e a maior de todas as farsas. Pois dizem: precisamos nos unir, pois a noiva do cordeiro não pode estar separada. Quando na realidade a noiva nunca esteve separada, ela é espiritual e não institucional. E o que eles querem unir são as instituições humanas, e não a noiva que é a Igreja Universal e invisível. Eles querem fazer isto para voltar a atribuir um poder extraordinário a um pontífice que manipulara milhões de fiéis. E esta centralização é o maior de todos os venenos.


Conclusão.

Faz-se necessário mais do que nunca sabermos distinguir os diversos sentidos que toma o termo Igreja, para que não venhamos cair no erro do igrejismo, ou seja, achar que a pessoa precisa aceitar a nossa Igreja(instituição) e não a Cristo para ser salvo; e para que venhamos viver melhor e saber que as falhas estão relacionadas as instituições que são compostas de seres humanos, joio e trigo e não à Noiva do Cordeiro que é Santa e imaculada.

Até a próxima e que o Senhor continue lhe abençoando e fazendo crescer na graça e no conhecimento a cada dia! Amem!


Pr Reinaldo Pinheiro

0 comentários:

 
© 2011 ICPB BURITI